218 269 333

Horário: 9:00-18:00 (2ª - 6ª)

Back to Top

ENVIO GRATUITO
para encomendas a partir de 49€
ENTREGAS EM 24H
em Portugal
MAIS DE 100.000 CLIENTES
satisfeitos em toda a Europa
PRODUTOS ELABORADOS
em laboratórios certificados UE

Psicologia na perda de peso: o confronto com as expectativas

04/08/15 14:05

Quer perder peso. É nisso que pensa assim que acorda, tem de emagrecer (e rapidamente!) porque aquelas calças novas continuam a não lhe servir. Pensa em tudo o que come mas não devia, imagina quantas calorias tem aquele lanche da manhã e pesa-se, pelo menos, 2 vezes por dia? Então provavelmente a sua preocupação chegou a um ponto que é uma obsessão e, talvez essa não seja a melhor forma de conseguir os resultados que pretende.

Se as suas emoções no que diz respeito à perda de peso são ansiedade, stress e uma pilha de nervos cada vez que não vê o ponteiro da balança a descer, então, esse pode ser um inimigo nessa tão desejada missão de pesar menos uns quilos.

Sofremos as consequências de anos, em alguns casos décadas, de erros alimentares e de um estilo de vida sedentário que acreditamos poder apagar do nosso corpo com 3 meses de ginásio e de uma alimentação mais cuidada. Expectativa difícil de conseguir superar e que faz desmotivar a maioria daqueles que pretendem perder peso 1.

Ficar aquém das expectativas ou desiludido porque não consegue perder peso à velocidade que pensava possível pode levá-lo a deitar tudo a perder: atirar-se a uma tablete de chocolate ou ao pacote de bolachas que ainda guarda na dispensa para uma “emergência” pode muitas vezes ser resultado da pressão que coloca sobre si mesmo 2.

O excesso de peso é habitualmente resultado de vários factores: biológicos, emocionais, comportamentais e do ambiente que nos rodeia. Existem várias estratégias que podemos aplicar no nosso dia-a-dia para ajudar durante o processo de perda de peso:

Fazer um diário alimentar

Para além do registo de tudo aquilo que come e bebe ao longo do dia deve ainda anotar os horários das refeições, local onde se realizaram, quantidades e detalhes sobre tudo o que foi ingerido. Deve complementar este diário com as emoções que foi sentido ao longo do dia, se estava feliz ou chateado ou se ficou triste e se foi “consolar” num daqueles alimentos que lhe fazem tão mal mas lhe sabem tão bem nos momentos mais complicados do dia;

Rodeie-se de pessoas que o apoiem

Os estudos mostram que é mais fácil perder peso em grupo do que sozinho. E este grupo podem ser os seus amigos, a família, um grupo de apoio nos seus serviços de saúde. É sempre mais fácil se quem partilha a mesa consigo fizer uma alimentação saudável, afinal é melhor para todos, quer queiram ou não perder peso, todos ganham saúde quando comem melhor;

Não entre em pânico se falhar em alguma refeição

Ficar demasiado preocupado porque comeu algo que não devia não vai ajudar em nada. Importante é perceber porque é que naquele dia não se conseguiu controlar e tentar perceber se há outras formas de conseguir descarregar os seus problemas sem ser à mesa 3,4.

A psicologia diz-nos que o descontrolo alimentar pode significar excesso de controlo noutras áreas da vida, funcionando os impulsos alimentares como um escape e uma forma de compensação e de satisfação imediata. Assim a comida pode ser, na maioria dos casos uma consequência e não uma causa, pelo que deve procurar perceber o que o pode estar a levar a atacar o frigorífico durante a noite 5.

Conseguir gerir as nossas emoções poderá ser uma boa ajuda no controlo do peso, seja com um diário alimentar para que possa conseguir avaliar-se a si próprio ou com o auxílio de alguns queimadores de gordura (como o Raspberry Ketone) para ajudar a ter resultados mais rápidos, o mais importante é que consiga perceber quais as razões que o podem ter conduzido ao excesso de peso. Perceber porquê é um contributo fundamental para não voltar a cometer os erros do passado.

A psicologia, tal como a dietética, defende que não se devem tentar estratégias radicais mas sim mudar gradualmente o estilo de vida, por isso comece hoje a mudar os padrões pelos quais vive para conseguir resultados duradouros e que possam melhorar a sua saúde!

Patricia Fernandes
Dietista
Licenciada em Dietética e Nutrição

Referências:

(1) Is Your Brain to Blame for Weight Regain? Marc-Andre. CornierPhysiology & Behavior, Volume 104, Issue 4, Setembro 2011
(2) Physiological adaptations to weight loss and factors favouring weight regain, F L Greenway. International Journal of Obesity, Maio 2015
(3) Mind/body health: Obesity - American Psychological Association. Disponívelem: http://www.apa.org/helpcenter/obesity.aspx
(4) Finding a balance - Division of Nutrition, Physical Activity, and Obesity, National Center for Chronic Disease Prevention and Health Promotion, Maio 2015. Disponível em: http://www.cdc.gov/healthyweight/calories/
(5) Fatores que dificultam a perda de peso em mulheres obesas de graus I e II, Ana Paula da Silva Vasques Oliveira; Marília Marques da Silva. Revista Psicologia e Saúde, volume 6, Junho 2014

Os suplementos alimentares não devem ser utilizados como substitutos de um regime alimentar variado. Não deverá exceder a toma diária recomendada. Manter fora do alcance e da visão das crianças. Este Suplemento Alimentar não é um medicamento. Não tomar em caso de hipersensibilidade a um dos ingredientes. Recomenda-se o consumo de pelo menos 2 litros de água por dia. Não utilizar em caso de gravidez ou lactação. Indivíduos com uma condição médica conhecida devem consultar um médico antes de usar este ou qualquer suplemento dietético.

Posted in Conselhos de Nutrição By

Patrícia Fernandes

Post Comments

Enviar Comentários




* Campos obrigatórios

 
 
 
Ana Formafit